Vamos falar deste assunto que está super em alta, não só na decoração, como também no estilo de vida.

Quando foi que sua casa virou uma bagunça? Prateleiras entupidas de enfeites? Ah, e suas gavetas, como estão? Quem tem um armário cheio de roupas que não foram usadas no último ano?

Bem vindos a cultura consumista moderna, que nos vende a ideia de que uma vida legal é uma vida cheia de coisas… e o que fazemos? Compramos compulsivamente mais e mais, grande parte delas nem precisamos.

Quando partimos para a decoração minimalista, ela é marcada por ter poucos objetos, poucos moveis e muito espaço livre disponível.

Mas isso não precisa ser uma regra, o minimalismo não tem regra e pode variar de pessoa para pessoa também.

O que você elimina e a quantidade que fica é decisão sua, vai depender do que faz sentido para você e para sua vida.

O minimalismo chega nas nossas vidas para repensarmos nossa relação com o consumo, sendo nada mais que separar, retirar, ordenar, conectar e simplificar nossos bens materiais e nossas vidas.

Nos nossos stories demos o exemplo do quarto da Ju, onde ela explicou que o propósito de usar o minimalismo é ter um ambiente tranquilo e relaxante, sem muitos estímulos visuais, com cores claras e poucos objetos.

Um cantinho do quarto da Ju
Na cômoda do quarto da Ju os objetos decorativos são leves e têm um significado afetivo

Mas você também pode ser minimalista e usar cores, quadros, estampas e objetos. Como já dissemos… o minimalismo não tem regra!

Sala da Sara, um exemplo de como podemos ser minimalistas e tambem imprimir estilo e história na decoração.

Quando repensamos o que e de quem queremos consumir, o consumo consciente fica mais fácil de ser praticado, a quantidade acaba não tendo mais sentido e sim a utilidade e o valor emocional que aquilo nos agrega.

E você, já parou pra repensar seu consumo? O minimalismo cabe na sua vida?